Interface Homem Computador (Aula 01 – 03/08/2009)

Publicado: 04/08/2009 em Interface Homem Computador

Profissional da área em ascensão:

Arquiteto de informação.

“A crise de hoje passa por transformar informação em conhecimento.
Há muita quantidade e é preciso organizar, eliminar o excesso e a inconsistência.”
Arquitetura de informação é uma área abrangente e com um futuro promissor, para quem quer se aventurar
nessa área é recomendável visitar uma biblioteca mais próxima, pois um dos principais profissionais desta área é o nosso conhecidíssimo bibliotecário.
O termo Arquitetura de informação foi usado pela primeira vez por um arquiteto chamado Wurman, em meados de 60.
O “arquiteto de informação” é o indivíduo com a missão de organizar padrões dos dados e de transformar o que é complexo em algo mais claro ou
em outras palavras, “é a pessoa que mapeia determinada informação e nos disponibiliza o mapa, de modo a que todos possamos criar nossos caminhos próprios em direção ao conhecimento coordenação de equipes e projetos (cargos de chefia).”
Segundo o Professor Fabiano Fagundes, é uma área emergente no país e que o pessoal de informática deveria prestar mais atenção.

Conteúdo da matéria:

Apresentação dos fatores humanos em software interativo e análise de aspectos perceptivos e cognitivos,
de elementos de análise e projeto do diálogo homem-computador e características de estilos e arquiteturas de interação,
relacionados aos conceitos de usabilidade, acessibilidade e adaptabilidade

Características desejáveis em uma interface com o usuário:

Diversidade: suportar, conhecer e se adaptar ao usuário.

Complacência: “errar é humano” por isso o sistema tem que prever os esquecimentos e erros do usuário.

Eficiência: quanto menos esforço o usuário fizer melhor para executar uma tarefa melhor.

Flexibilidade: A interface deve fornecer várias maneiras para o usuário executar uma determinada tarefa.

Consistência: manter um modelo as ser usado em todas as telas, tornando o uso do sistema intuitivo.

Prestimosidade: a interface deve de alguma maneira ajudar o usuário. principalmente quando o mesmo não souber o que fazer.

Imitação: a interface deve se comunicar com o usuário dialogicamente através de analogias, exemplos, comparações etc.

Naturalidade: a comunicação com o usuário deve conter apenas elementos simples e que tenham a ver com o que o usuário está fazendo.

Satisfação: satisfazer o usuário não frustrando-o.

Passividade: a interface deve se comportar de acordo com as preferencias do usuário não com suas preferencias.

Tarefa para próxima aula:

Analisar a embalagem dos produtos listados abaixo de acordo com as características acima. “com criatividade”.

leite
biscoito
molho de tomate (Jorge, Thiago, Warley)
suco
sabão em pó
Maionese

Fazer propaganda de produto, “auto propaganda”.

outras informações.

arquiteturas de diálogos
estilos de informação
uso das memorias de curta e longa duração,
uso de função perigosa perto da algo corriqueiro.
ferramentas usadas em hci

Bibliografia
Theodore Nelson
http://webinsider.uol.com.br/index.php/2003/11/06/arquitetura-de-informacao-que-diabo-e-isso-1/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s