Posts com Tag ‘Sistemas de Informação’

Estamos de volta com as postagens, espero que sejam frequentes, tanto quando nos tempos que ainda estava no CEULP-ULBRA. O primeiro projeto será subir à rede todo conteúdo acumulado nos anos que passei fazendo o curso de sistemas de informação, desde as disciplinas de introdução até as disciplinas finas e no final serão postados os trabalhos realizados no estágio supervisionado e no trabalho de conclusão de curso.

Como dito no meu discurso de colação de grau, foram anos não apenas de acumulo de conhecimento mas que também contribuíram para o meu crescimento como pessoa de um modo geral, por isso vou comentar tanto as partes técnicas, o que foi apreendido na disciplina quanto a parte pessoal, um tanto subjetiva, por isso podem dar um desconto para esta parte quando encontrar historias e estorias no meio das postagens.

Sem mais delongas vamos para o conteúdo das disciplinas, vou tentar comentar a ementa da disciplina e seguir a ordem da tabela abaixo que retirei da matriz de sistemas de informação de 2006 quando iniciei o curso, existe uma equivalência de disciplinas com relação a matriz que está sendo utilizada atualmente, então recomendo verificar a disciplina por conteúdo não pelo titulo da postagem que será o nome da disciplina da minha época.

 

DISCIPLINA

Fundamentos de Sistemas de Informação *
Conceitos Básicos da Computação *
Algoritmos e Programação I *
Algoritmos e Programação I *
Fundamentos de Sistemas de Informação *
Conceitos Básicos da Computação *
Matemática I
Cultura Religiosa
Estatística I
Lógica de Predicados
Algoritmos e Programação II
Arquitetura de Equipamentos para Informática
Metodologia Científica
Estruturas de Dados I
Matemática Discreta
Linguagem de Programação Orientada a Objetos I
Engenharia de Software I
Banco de Dados I
Linguagem de Programação Comercial
Análise Organizacional
Banco de Dados II
Estruturas de Dados II
Engenharia de Software II

DISCIPLINA

Gerência de Projetos
Sistemas de Informação I
Paradigmas de Linguagens de Programação
Interface Homem-Computador
Modelagem de Sistemas de Informação
Redes de Computadores I
Sistemas Operacionais
Sistemas de Informação II
Inteligência Artificial I
Desenvolvimento de Sistemas de Informação
Estágio Supervisionado em Sistemas de Informação
Optativa I
Segurança de Sistemas
Redes de Computadores II
Direito e Legislação em Informática
Empreendedorismo e Gestão
Trabalho de Conclusão de Curso em Sistemas de Informação I
Informática e Sociedade
Tópicos Avançados em Informática (redes 3)
Qualidade e Auditoria de Software
Psicologia nas Organizações
Optativa II
Trabalho de Conclusão de Curso em Sistemas de Informação II

 

Imagem Capa livro Linguagens de Programação SebestaUma variável é a abstração de uma localização na memória do computador, uma célula ou conjunto de células, no caso das memórias RAMs são endereços nas células capacitivas. Nas linguagens de programação da atualidade, as variáveis são formadas por seis atributos a saber; nome, endereço, valor, tipo, tempo de vida e escopo. (Sebesta. p.179).

Os nomes são identificação que os desenvolvedores atribuem a uma variável. Em algumas linguagens existem um conjunto de nomes reservados. Os nomes podem ter de um, a um conjunto não limitado de caracteres como no JAVA e no C. (Sebesta. p.181). Na linguagem de programação ‘criada’ pelo google o GO, os nomes podem receber um conjunto indeterminado de caracteres, e possuem as restrições de palavras reservadas como int.

O endereço é a localização da variável na memória, ele pode mudar de acordo com os tempo de execução de um programa. Os endereços podem receber vários nomes, como no caso dos APELIDOS. Desta forma podemos ter dois nomes de variável apontando para o mesmo endereço de memória.(Sebesta. p.181).

“O tipo de uma variável determina a faixa de valores que uma variável pode ter e o conjunto de operações definidas para os valores do tipo.”(Sebesta. p.181). Na linguagem GO por exemplo o “int” possui um valor entre 32 e 64 bits. Com este tipo podemos efetuar operações matemática como subtração, adição, multiplicação e etc.

Ainda quanto ao tipo, uma linguagem pode ser fortemente tipificada quando exige a definição do tipo na declaração de uma variável como no caso do FORTRAN , dinamicamente tipificada quando o tipo de dados pode  ser alterado em tempo de execução e fracamente tipificada que o caso das linguagens que possuem apenas um tipico genérico de dados, nestes caso não há necessidade de definição do tipo na declaração da variável. (Sebesta. p.190)

Segundo Sebesta, o valor de uma variável é o conteúdo de uma célula ou conjunto de celular associadas a esta. As células de memórias costumam ser de 1 byte ou seja 8 bits, e muitas variáveis podem conter valores maiores que 1 byte como é o caso do int no GO. Com isso usam-se o conceito de célula de memória abstrata, é o conjunto de células usadas por uma determinada variável, ou seja, um int com valor 32bits ocupa 4bytes, ou seja quatro células reais de memória ou uma célula abstrata.

O tempo de vida de uma variável é o intervalo de tempo durante o qual um conjunto de células de memória está vinculado à uma variável. As variáveis estáticas são as com um maior tempo de vida, visto que são reservadas no inicio do programa e só são desalocadas quando o finalizamos. Em um programa escrito em GO, uma variável pode ser declarada e usada tanto dentro do programa como dentro de métodos, estas últimas  tem um tempo de vida menor, pois duram o exato tempo de vida do método.

O escopo de uma variável é o trecho do programa em que esta variável pode utilizada, acessada ou modificada. Usando a linguagem GO, uma variável declarada em um método qualquer, terá seu escopo determinado por este método.

Para mais detalhes leiam:

http://books.google.com.br/books?id=b0tcn_uPLoAC&printsec=frontcover&dq=sebesta&as_brr=3&ei=t_S4S9WML4SqywTRh_k5&cd=5#v=onepage&q=&f=true

http://www-di.inf.puc-rio.br/~rangel/

http://golang.org/doc/go_spec.html#TypeName

Thiago Santos de Amorim